sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

065- As três peneiras


Olavo foi transferido de setor. Logo no primeiro dia, para fazer média com o novo chefe, saiu-se com esta: - Chefe o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Silva. Disseram que ele...
Nem chegou a terminar a frase, Juliano, o chefe, aparteou: - Espere um pouco Olavo, o que vai me contar já passou pelo crivo das três peneiras?
- Peneiras? Que peneiras, chefe?
- A primeira Olavo, é a da VERDADE. Você tem certeza que este fato é absolutamente verdadeiro?
- Não, não tenho não. Como posso saber? O que sei foi o que me contaram... Mas eu acho que...
E novamente Olavo é interrompido pelo chefe.
- Então sua história já vazou a primeira peneira. Vamos então para a Segunda peneira que é a da BONDADE. O que você vai me contar, gostaria que os outros também dissessem a seu respeito?
- Claro que não! Deus me livre, chefe! – diz Olavo assustado.
- Então – continua o chefe – sua história vazou a Segunda peneira.
Vamos ver a terceira que é a da NECESSIDADE. Você acha mesmo necessário me contar esse fato ou passá-lo adiante? Vai mudar algo em sua vida? Ajudar a edificar algo ou alguém?
- Não, chefe. Passando pelo crivo destas peneiras, vi que não sobrou nada do que eu iria contar – falou Olavo surpreendido...
- Pois é, Olavo. Já pensou como as pessoas seriam mais felizes se todos usassem essas peneiras? – diz o chefe sorrindo e continua – Da próxima vez em que surgir um boato por aí, submeta-se ao crivo dessas três peneiras: Verdade, Bondade, Necessidade, antes de obedecer ao impulso de passá-lo adiante, por que:


PESSOAS INTELIGENTES FALAM SOBRE IDÉIAS,
PESSOAS COMUNS FALAM SOBRE COISAS,

PESSOAS MEDÍOCRES FALAM SOBRE PESSOAS.


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

064- Aprendendo a perdoar a si mesmo


Primeiro que tudo, você precisa perdoar a si mesmo por não ser capaz de perdoar. Com frequência somos muito duros para com nós mesmos e os outros, por “não sermos suficientemente espirituais”. Saiba que o processo de crescimento faz sentido; e você não pode dar o segundo passo antes de dar o primeiro. Peça compreensão ao Eu Interior e, depois, escute a silente e sutil voz interior.
O Eu Interior nunca assume papel de juiz, não é vingativo, nem indiferente. Percebe a situação claramente e quer agir para o maior bem de todo mundo envolvido. Às vezes isso pode significar a renúncia a uma relação; outras vezes pode significar permitir-se amar novamente e fazer o possível para recuperar uma relação.
Se você está aprendendo a perdoar a si mesmo, é muito importante que se lembre de que está aprendendo a compreender sua real responsabilidade numa relação ou situação. Acostumamos a assumir responsabilidade demais pelo que aconteceu ou está acontecendo. Do mesmo modo, tendemos a ter dificuldade para perdoar os outros, por lhes atribuirmos responsabilidade demais, ou seja, nós os estamos culpando. Encontrar uma perspectiva equilibrada em qualquer situação que envolva questões de responsabilidade e perdão leva tempo, reflexão persistente e a disposição de considerar novas ideias.

A verdadeira autoestima vem, de sabermos que nossa compreensão do Eu, se aprofunda com a experiência. Estamos aprendendo a confiar em nosso próprio compromisso pessoal com o crescimento espiritual. Isto quer dizer que já demonstramos a nós mesmos que podemos mudar e que nossa consciência está evoluindo à medida que enfrentamos os desafios de nossa situação particular.